Publicaremos periodicamente "trechos" do arquivo de Chiara Lubich para
  oferecer, também hoje, uma possibilidade de contato com esta mulher
  extraordinária..

Imprimir

Perdoa ao próximo que te prejudicou ...

Roma ("Città Nuova"), 25 de julho de 2002

Comentário sobre a Palavra de Vida:

Perdoa ao próximo que te prejudicou: assim, quando orares, teus pecados serão perdoados (Eclo 28,2).

Esta Palavra de Vida é tirada de um dos livros do Antigo Testamento, escrito entre os anos 180 e 170 antes de Cristo por Ben Sirac, um sábio, um escriba, que exercia sua função de mestre em Jerusalém. Ele ensina um tema muito estimado em toda a tradição sapiencial bíblica: Deus é misericordioso para com os pecadores e o seu modo de agir deve ser imitado por nós.
O Senhor perdoa todas as nossas culpas porque “é misericordioso e compassivo, lento para a cólera e rico em bondade” (cf. Sl 102[103],3.8).

Imprimir

Mensagem de Chiara aos familyfest '93

Palaeur (Roma), 5 de junho de 1993

A família: quanta riqueza Deus colocou neste tesouro para toda a humanidade.

Uma saudação calorosa a todos os presentes no Palaeur de Roma, às famílias reunidas nas 500 jornadas nos cinco continentes, interligadas conosco, e a todos os que assistem ao Family Fest através da rádio e da televisão.
Estamos às portas do terceiro milênio. A família, cada família, pode se tornar protagonista desta era. Criada por Deus, como obra-prima do amor, a família pode inspirar linhas mestras que contribuam para mudar o mundo de amanhã. (...)

Chiara Lubich

Texto

Imprimir

"Abba, Pai!"

Rocca di Papa, 9.3.89

Uma síntese da oração cristã: penetrar no coração de Deus

Caríssimos

Jesus rezava, rezava a seu Pai. Para Ele, o Pai era "Abba", isto é, papai, paizinho, a quem Ele se dirigia com palavras de infinita confidência e amor sem fim.
Jesus rezava ao Pai, permanecendo no seio da Trindade da qual Ele é a segunda Pessoa divina.
Foi justamente através dessa oração muito especial que Jesus revelou ao mundo quem realmente Ele é: o Filho de Deus.

Imprimir

O Pacto de 16 de julho de 1949

Montet (Ch), 15 de agosto de 2001

O “pacto”, fundamental na experiência de Chiara, pode, hoje como outrora, abrir amplamente o Reino de Deus entre nós (Cf. Lc 17,21)

(…)
Estamos em 1949 e eu escrevi:
«O nosso Movimento tinha nascido há cinco anos e já tínhamos compreendido e assimilado alguns pontos fundamentais da sua espiritualidade, por exemplo, Deus Amor, a vontade de Deus, ver Jesus no irmão, o mandamento novo, Jesus Abandonado, Jesus no meio, a unidade (...)

texto

Vídeos en italian

Imprimir

O caminho para a liberdade

Palaghiaccio (Marino), 12 de junho de 1992

O amor pela verdade conduz à verdadeira liberdade

Notamos que você vive uma verdadeira liberdade. Todos nós a desejamos. O que é para você a liberdade e como fazer para possuí-la e vivê-la no mundo de hoje? Pois há muitos perigos, muitas ocasiões para nos apegarmos às coisas, às pessoas, a nós mesmos, ao nosso orgulho, à nossa preguiça de fazer alguma coisa. Como fazer?

Normalmente a liberdade é definida assim: é escolher entre o bem e o mal. Mas eu prefiro outra definição: a liberdade é ir cada vez mais na direção do bem. Quanto mais vamos rumo ao bem mais somos livres.