Palavra de Vida de agosto de 1988

O comentário de Chiara Lubich a este trecho extraído das cartas de são Paulo, nos leva ao coração da mensagem cristã, tão evidenciado pelo papa Francisco neste Ano Jubilar da Misericórdia.

“Sede bondosos e compassivos, uns para com os outros, perdoando-vos mutuamente, como Deus vos perdoou em Cristo.” (Ef 4,32)

A Palavra de Vida deste mês é extraída da carta de são Paulo à comunidade de Éfeso. O apóstolo fala da vida cristã como vida de unidade e de caridade. Após elencar as coisas que o amor cristão nos ajuda a evitar (a mentira, o roubo, a desonestidade, etc.) ele nos diz aquilo que este amor nos impulsiona a fazer. E eis que uma das primeiras atitudes que a caridade nos sugere: a benevolência, a compreensão, a misericórdia, o perdão para com todos.

“Sede bondosos e compassivos, uns para com os outros, perdoando-vos mutuamente, como Deus vos perdoou em Cristo.”

Devemos ser misericordiosos – explica o apóstolo – porque somos filhos de Deus e como tais somos chamados a nos revestirmos dos sentimentos de Deus derramando sobre nossos próximos aquela misericórdia que o Pai celeste derramou sobre nós através de seu Filho Jesus Cristo.
Em Jesus nós percebemos um amor infinitamente acolhedor. Jesus não condena, nunca exclui ninguém, sustenta e encoraja todos, não apaga a chama tremulante. O amor de Jesus é um amor que vai à procura da ovelha perdida. É um amor que perdoa sempre e sem limites, que esquece tudo, que acolhe com alegria o pecador que volta à casa do Pai, renovando-o completamente.

“Sede bondosos e compassivos, uns para com os outros, perdoando-vos mutuamente, como Deus vos perdoou em Cristo.”

Se formos misericordiosos, poderemos ser realmente construtores da paz e da unidade. E uma vez que todos somos fracos, limitados e sujeitos ao erro é evidente que a  paz e a unidade entre nós dependerão, em primeiro lugar, de como soubermos nos compreender e perdoar reciprocamente.

“Sede bondosos e compassivos, uns para com os outros, perdoando-vos mutuamente, como Deus vos perdoou em Cristo.”

Embora a Palavra de Vida deste mês nos ajude sem dúvida a descobrir uma das expressões mais belas do amor cristão, a mais humana, aquela que nos torna mais semelhantes a Deus, isso não significa porém que seja fácil colocá-la em prática.
Devemos reconhecer, de fato, que a misericórdia não é o nosso forte; é o campo em que mais frequentemente falhamos. A nossa natureza ferida pelo pecado é mais levada a julgar do que a compreender o nosso próximo, a rejeitá-lo do que a acolhê-lo, a colocar em evidência seus defeitos e fraquezas do que a cobri-los e escondê-los, a recordar os erros e as ofensas recebidas do que a perdoar e esquecer.
Mas, se Jesus nos pede para sermos misericordiosos, significa que ele nos assegura a sua graça para que consigamos viver assim.

“Sede bondosos e compassivos, uns para com os outros, perdoando-vos mutuamente, como Deus vos perdoou em Cristo.”

De que modo viver, então, esta Palavra de Vida? Do modo que nos é sugerido pela própria Palavra: devemos olhar para Jesus, pensar nele e procurar ter para com nossos próximos aquela mesma benevolência e misericórdia que Jesus por primeiro teve para conosco, benevolência que ele sempre possui e da qual nós nunca duvidamos, mesmo errando cem vezes por dia.

Chiara Lubich

texto

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.