27 de março de 1981

A dor de Jesus, profundamente humana, é proposta neste trecho do diário de Chiara Lubich de 1981 como preparação para o período da Quaresma.

Tenho um porta-retratos com a imagem de Jesus Abandonado.
Ontem, olhando para aquele rosto, fiquei impressionada com a dor de Jesus abandonado e com a sua humanidade sofredora. Era o dia da encarnação e, justamente naquele dia, senti Jesus profundamente humano, a ponto de me comover: aqueles olhos voltados para o Céu à procura do Pai, aquele sangue... era tudo tão verossímil! E entendi de maneira nova como Ele realmente nos amou, me amou. Parecia-me impossível que fosse Deus, assim tão sofredor e perfeitamente homem, e entendi a kenosi, o duplo aniquilamento, se assim se pode dizer, da encarnação e do abandono.

Decidi colocar esta imagem de Jesus em todos os focolares, para que os focolarinos, vendo-a, possam repetir todos os dias: "Porque és abandonado."  
Hoje repetir o dia inteiro: "Porque és abandonado." Repetir estas palavras abraçando sempre, logo, com alegria as cruzes que chegam, desapegando-me das coisas que a vontade de Deus de beneplácito exigem, por exemplo, diante das mortificações da Quaresma, do encontro com pessoas que mais se assemelham a Ele, dos problemas (Ele pergunta: "Por quê?"), das dúvidas, do "perder" a minha vontade no presente.  

pdf texto (78 KB)

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.