O evento reuniu, na cidade natal de Chiara Lubich, especialistas de vários países para um aprofundamento linguístico, filológico e literário dos escritos da fundadora dos Focolares. Muitas palestras, agora, podem ser consultadas no site do Centro Chiara Lubich.

 

Alguns meses atrás, ninguém estava em condições de prever se se conseguiria realizá-lo. E, ao invés, o simpósio intitulado “Chiara Lubich em diálogo com o mundo, Uma abordagem linguística, filológica e literária dos seus escritos” se realizou graças à possibilidade de um formato “misto”: parte “presencial”, com uns trinta participantes, e parte online. Um evento complexo, multimídia, de vários dias, com palestras de especialistas de várias partes do mundo e com duas línguas em tradução simultânea. Fundamental para a realização do simpósio, promovido pelo Centro Chiara Lubich e pelo Grupo de estudo e de pesquisa de Linguística, Filologia e Literatura da Escola Abba (Centro de Estudos interdisciplinar do Movimento dos Focolares) e programado por ocasião do Centenário do nascimento da Lubich, foi a sensibilidade da Fundação Museu histórico do Trentino que disponibilizou a sala dentro da Galeria Branca, bem ao lado da Exposição “Chiara Lubich Cidade Mundo”, garantindo o respeito às normas de segurança sanitária.

Os nós da rede mundial que se formou, com uma média diária de 70 pontos de escuta, foram os palestrantes, os tradutores e alguns moderadores: o palco das Galerias, assim, se alargou contendo países de cinco continentes, como Taiwan, China, Brasil, Costa Rica, Canadá, Argentina, Venezuela, México, Angola, Austrália, Estados Unidos e uma dezena de países de toda a Europa.

Dando apoio ao projeto, a Universidade de Trento e o Instituto Universitário Sophia da cidadezinha internacional de Loppiano (Florença – Itália), com a participação de representantes de outras Universidades, como a Universidade de Roma “Tor Vergata”, a de Nápoles “L’Orientale”, a Universidade Federal da Paraíba (Brasil), a Fu Jen Catholic University de Taipei (Taiwan). Vários professores destes ateneus participaram ativamente nas discussões, nas mesas redondas ou como moderadores.

Muito rico e variado o programa dos três dias. A análise dos escritos da Lubich pôs em evidência o valor das palavras na mediação cultural e na construção do diálogo, com particular atenção também à dimensão tradutológica. Na última manhã, a palestra do prof. Enzo Crupi sobre o tema “Analogias e convergências entre Paraíso de Dante Alighieri e Paraíso de 1949 de Chiara Lubich” fez com que todos fizessem a experiência de uma verdadeira, por assim dizer, “contemplação” místico-literária, na qual forma e conteúdo, de um e do outro texto, se fundem para se tornarem conhecimento, sabedoria, poesia e canto.

Agora, algumas das palestras estão disponíveis online no espaço “Documentos de Simpósios” do site do Centro Chiara Lubich. Trata-se de materiais que pertencem não só a especialistas e estudiosos, mas também a todos os que querem aprofundar ou simplesmente conhecer os estudos e as pesquisas sobre Chiara Lubich.

João Manoel Motta
Centro Chiara Lubich